O PM concedeu ontem a noite uma entrevista televisiva onde enunciou as novas medidas tomadas pelo conselho de segurança nacional para combater o COVID 19, tendo indicado que o confinamento geral em que se encontra o país desde o passado dia 22 de marco se estendera ate ao dia 3 de maio, iniciando-se, a partir do dia 4 de maio, um período de confinamento especifico e progressivo.

O recolher obrigatório passa a pautar-se por um novo horário, entre as 20h e as 6h, para que os cidadãos possam conservar alguns dos seus hábitos durante o mês do Ramadão, que se inicia no dia 24 de abril.

Sobre o caminho percorrido ate aqui, considerou que o Estado conseguiu controlar a situação graças ao respeito do confinamento, acrescentando que a crise não terminou, sendo essencial preservar uma curva achatada de progressão do vírus. 

Referindo-se ao período ulterior de confinamento parcial, será feito com base em estudos efetuados para determinar os setores e as regiões que poderão retomar gradualmente as suas atividades, e tentando antecipar cenários a partir de conclusões tiradas das experiencias de outros países. Precisou que a situação atual não pode durar indefinidamente, sobretudo tendo em conta a dimensão das suas repercussões económicas e sociais.

Quanto aos setores que retomarão progressivamente as atividades a partir de 4 de maio, evidenciou o setor agroalimentar, tendo em atenção a aproximação do mês do Ramadão, e outros, como o têxtil ou de componentes automóveis, bem como as atividades que empregam apenas uma ou duas pessoas.

O prolongamento do confinamento trará consigo a transferência de uma segunda tranche de ajudas sociais as famílias desprotegidas e as classes frágeis, no montante de 60 dinares para as primeiras e de 200 dinares para as segundas.

Durantes o Ramadão, que este ano será diferente, indicou, as pessoas continuarão impedidas de acudir as mesquitas, para evitar a propagação do vírus.

Sobre o ano escolar, referiu que o calendário será anunciado no dia 29 de abril, e assegurou que haverá exames ate ao final de julho, antecipando-se um regresso faseado as aulas nas escolas e nas universidades.

 Por fim, advertiu para o período de reforma e construção que se avizinha, na fase do pós-corona vírus, que ira requerer uma serie de reformas, apelando os tunisinos a conservar o estado de espirito perseverante que permitiu a todos chegar ate aqui.

 

 

  • Partilhe